terça-feira, 25 de outubro de 2011

Quando você me vê
Eu vejo acender outra vez aquela chama
Então pra que se esconder?
Você deve saber o quanto me ama
Que distância vai guardar nossa saudade?
Que lugar vou te encontrar de novo?
Fazer sinais de fogo
Pra você me ver
Quando eu te vi e te conheci
Não quis acreditar na solidão
E nem demais em nós dois
Pra não encanar
Eu me arrumo, eu me enfeito
Eu me ajeito, eu interrogo meu espelho
Espelho em que eu me olho
Pra você me ver ♪

sábado, 15 de outubro de 2011

Hoje eu queria agradecer, a quem quer que seja. Ou a mim. Ou a Deus. Pelo que sou e pelo que fui. Pelo que poderei ser - que espero que seja melhor ainda. Quero agradecer pelas pessoas que cruzaram meu caminho. Todas elas. As que me deram somente um sorriso ou as que me xingaram. As que foram embora sem dar tchau e as que continuam, mesmo sem motivos. As que confiam em mim, e as que me passam confiança. As que me viram nascer, e as que realmente tentam me conhecer. Admito que não é fácil conviver com alguém como eu. Digamos que complexidade seja meu forte. Então aqueles - mesmo poucos, que continuam aqui, e não pretendem ir, eu agradeço. E peço paciência, pois muitas vezes me faço de mulher-maravilha, achando que sou forte e que aguento-tudo-que-vier, mas sei que a verdade é toda do avesso. Só preciso de colo e atenção. Não desistam. Também não irei desistir.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

''O que significa amar verdadeiramente uma pessoa?''
Poderia ser apenas por uma hora, ou então bastava só alguns minutos. Eu não quero tomar muito do seu tempo, é que estou com muitas saudades.
Teriamos tanta coisa para fazer e conversar... Ou talvez não fizessemos nada, e ficassemos mesmo em silêncio, quietos...
Eu deitaria no seu peito para sentir seu cheiro e você daria um beijo no alto de minha cabeça. De repente iria começar a tocar a ''nossa música'' e você iria cantar baixinho no meu ouvido. Talvez eu te desse um beijo, ou só desse um sorriso tímido e cheio de amor ao mesmo tempo. Você mecheria no meu cabelo e eu brincaria com seus dedos.
O tempo iria passar rápido e para nois nem sequer tinha passado. O momento ia fazer com que o tempo parasse. E esse tempo seria eterno
.

.

 
É que palavras do tipo ''eu lembro daquele tempo...'' saindo da sua boca me faz esquecer  totalmente que eu estava te esquecendo.
''Você não tem a menor noção do seu efeito sobre mim''

''Imagine nós dois, eu e você, daqui há alguns anos, morando juntos. Não precisaríamos ser namorados, nem casados, nem nada disso. Apenas amigos. E nós seriamos felizes, eu e você. Fotos de nós dois estariam espalhadas pela casa. Fotos suas no meu quarto, fotos minhas no seu quarto. Mas nós dormiríamos juntos. Pelo simples fato de eu te querer por perto, e você me querer também. Pelo simples fato do seu quarto estar bagunçado de mais e a minha cama ser perfeita para nós dois. Eu teria medo do escuro, sem você. E eu andaria apenas com roupas íntimas, e você fingiria não se importar. E eu fingiria acreditar. Eu fugiria de você, correndo pela casa, rindo, com o controle da televisão, só pra você não mudar o canal. E você me pegaria, e ficaríamos abraçados até o silêncio nos constranger. Nossos sábados a noite seriam nostálgicos, olharíamos todos tipos de filme, atiraríamos pipocas um no outro e pediríamos uma pizza. Nostálgicos e perfeitos, porque depois dormiríamos abraçados, no sofá da sala, ao som da melodia dos créditos de um filme de romance em que eu choraria do começo ao fim, e você riria de mim e comigo. Iríamos ao supermercado uma vez por mês, comprar as mais diversas porcarias. E não nos faltaria nada. Você não se importaria com as minhas roupas espalhadas pela casa e pelo seu quarto. Eu não me importaria com a sua bagunça diária, nem com a sua toalha de banho atirada pelos cantos. Nos domingos a tarde, ficaríamos na sacada do nosso apartamentinho no 3º andar, tomando coca e cantando músicas velhas. Olharíamos as pessoas lá em baixo, casais apaixonados, e ficaríamos em silêncio, perdidos nos nossos próprios pensamentos. Suas amigas viriam te visitar, e eu choraria em silêncio, no escuro do meu quarto. Até elas irem embora e você ir dormir comigo, e perguntar se chorei. Eu negaria. Você acreditaria. Me acordaria no meio da noite, para contar um sonho que teve. E nós riríamos juntos. Me acordaria com café na cama, ou com uma rosa roubada do jardim da casa vizinha. Eu deixaria um recado sutil de amor na porta da geladeira antes de sair na segunda de manhã para visitar meus pais. Poderíamos até ter um cachorro. Poderíamos, juntos, levar ele para passear. E você decidiria pintar a casa, e ela ficaria vazia, apenas com nós dois e nosso cachorro. Deitaríamos no chão, e eu perguntaria em que você estaria pensando. Você mentiria e me perguntava o mesmo. Eu mentiria. Eu iria para a universidade todo dia de manhã, enquanto você ia para seu trabalho de meio turno em uma empresa de sucesso. Você me amaria, em silêncio. Eu também te amaria, em silêncio. Em alguns anos, eu estaria me formando em letras, e você estaria no topo da carreira naquela mesma empresa. E você me levaria pra jantar e me pediria em casamento. Eu aceitaria. E seria uma linda história de amor, apenas seria.''

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Tudo bem se não deu certo (8'

Incontrolável, incomprensiva, incondicional e estúpida é essa saudade que insisto em sentir de você. O tempo inteiro.

Caio Fernando Abreu - denovo !

”Tentaram me fazer acreditar que o amor não existe e que sonhos estão fora de moda. Cavaram um buraco bem fundo e tentaram enterrar todos os meus desejos, um a um, como fizeram com os deles. Mas como menina-teimosa que sou, ainda insisto em desentortar os caminhos. Em construir castelos sem pensar nos ventos. Em buscar verdades enquanto elas tentam fugir de mim. A manter meu buquê de sorrisos no rosto, sem perder a vontade de antes. Porque aprendi, que a vida, apesar de bruta, é meio mágica. Dá sempre pra tirar um coelho da cartola. E lá vou eu, nas minhas tentativas, às vezes meio cegas, às vezes meio burras, tentar acertar os passos. Sem me preocupar se a próxima etapa será o tombo ou o voo. Eu sei que vou. Insisto na caminhada. O que não dá é pra ficar parado. Se amanhã o que eu sonhei não for bem aquilo, eu tiro um arco-íris da cartola. E refaço. Colo. Pinto e bordo. Porque a força de dentro é maior. Maior que todo mal que existe no mundo. Maior que todos os ventos contrários. É maior porque é do bem. E nisso, sim, acredito até o fim. O destino da felicidade, me foi traçado no berço.

Caio Fernando Abreu !

De alguma forma eu sabia que seria amor. Eu não sei, mas acho que a gente olha e pensa: “Quero pra mim”. Mas dá um frio na barriga, um tremor, um medo de depender de alguém, de sofrer, de escolher errado, de lutar por algo que não vale a pena. Porque o coração nem sempre é mocinho, as vezes ele também gosta de pregar peças, sei lá, talvez queira provar que também sabe ser vilão. Foi por isso que corri, tentei fugir, mas quando tem que ser, não adianta, será. E olha só, passei tanto tempo fugindo de um alguém que hoje sofro por não ser totalmente meu. Agora me diz, por quê?
"Que você acredite que não me deve nada simplesmente porque os amores mais puros não entendem dívida, nem mágoa, nem arrependimento. Então, que não se arrependa. Da gente. Do que fomos. De tudo o que vivemos. Que você me guarde na memória, mais do que nas fotos. Que termine com a sensação de ter me degustado por completo, mas como quem sai da mesa antes da sobremesa: com a impressão que poderia ter se fartado um pouco mais. E que, até o último dia da sua vida, você espalhe delicadamente a nossa história, para poucos ouvintes, como se ela tivesse sido a mais bela história de amor da sua vida. E que uma parte de você acredite que ela foi, de fato, a mais bela história de amor da sua vida."
Você erra, e meu coração arruma mil motivos pra te desculpar. Você some, e eu sempre vou te procurar. Não consigo ficar longe de você. Eu posso esta brava, morrendo de raiva e até fingindo te odiar, mas essa vontade louca de você, é mais forte. Me faz passar por cima do meu orgulho. Me faz passar por cima de mim e me render a você.